segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Ainda bem que as coisas mudam.

Quem andou futucando meus primeiros posts leu a seguinte frase:

"Pra começar, eu odeio televisão. Não o aparelho, claro, mas Faustão, Zorra Total, Futebol dia de quarta e Didi em qualquer horário, toda a programação da Bandeirante, Chaves e milhares de outros que de vez em quando eu vou citando".

Gostaria aqui de dizer publicamente que a Bandeirante hoje tem uma coisa legal. Pra dizer a verdade uma coisa foda.

CQC - Custe o Que Custar. Os caras são muito bons.
São chatos no melhor sentido possível da palavra; Inteligentes e etc.
Gente, por favor, chega de piadinhas burras. Chega de Casseta e Planeta, Zorra Total e companhia.
Hoje tem. Daqui a pouco. 22:15.
Assistam e com um pouquinho de sorte vcs vão ver eles sacaneando José Genuíno. Pra mim o ponto alto.

Última chamada.

Quem tiver pensando em assistir Os melhores do Mundo é bom correr. Hoje a tarde só faltavam 222 ingressos pra sexta e 168 pra sábado. Ou seja uma manhã. Corre lá.

domingo, 28 de setembro de 2008

Lory lançou um blog

O nome é: Observatório parcial, com certeza vem coisa boa por aí.
Não é porque é meu irmão, mas o cara escreve bem pra caramba. Como ele mesmo disse, já tinha passado da hora.
E ter te inspirado meu velho é uma honra sem tamanho. Boa sorte.

Novos eventos a vista

Em primeiríssima mão:
09/10 - Vander Lee;
16/10 - Pedro Mariano - Participação de Adelmo Casé;
23/10 - Pato Fu e
30/10 - Isabella Taviani (Ainda a confirmar).
Vai ser na Madre, antiga Fashion.

Existem artistas e artistas


Primeiro vamos esclarecer uma coisa:
Eu só vou colocar aqui comentários sobre bastidores ou artistas que tenham alguma coisa de positivo pra ser falado. Não vou transformar o blog em uma revistinha de fofoca. Esse definitivamente não é o objetivo.
Logo, se vc lê o blog na esperança de descobrir aquelas curiosidadesinhas ridículas, é melhor procurar a próxima contigo. Ok?
Vamos lá:
Sexta-feira foi a vez de Zé Ramalho se apresentar no circuito das artes. O show foi maravilhoso.
O cara é uma figuraça. E é dele que vem meu raciocínio sobre artistas e artistas.
Zé Ramalho é feio, usa umas roupas loucas tipo Earth Wind and Fire, cheia de lantejoulas, não interage com os fãs e é feio (só pra gente não esquecer).
Porém... Quando o cara entra no palco... É arrebatador. O vozeirão, a banda, e a unidade entre eles é uma coisa pra parar e olhar. Sensacional.
O público ficou enlouquecidamente emocionado, que o diga Drumond e suas lágrimas. O repertório pra acabar de lenhar, foi repleto dos clássicos. Quando ele dava aquela paradinha pra ouvir a galera, a resposta era a afirmação da emoção.
A palavra show só deveria ser usada em ocasiões como essa.
O que me faz pensar: Quando eu for famoso, vou querer ser como Djavan ou como Zé Ramalho?
Agradável e atencioso com meus fãs ou fechado e isolado?
Sei lá.
Eu quero primeiro ser famoso, depois competente como ambos, quero ser rico também o que eu sei que acaba sendo consequencia e se depois de tudo isso eu ainda conseguir me manter mais bonitinho do que Zé Ramalho, Tá bom demais.

Isso é que é frase

O problema do Brasil é que, quem elege os governantes não é quem lê jornal, mas quem limpa o cú com ele.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Sim, o show de Djavan

Quem já esteve em um show na concha lotada, vai saber o que eu vou falar. E quem já teve oportunidade de trabalhar nos bastidores de um show desse tamanho, vai concordar comigo. É de fuder. Desculpem. (ou não). Existe um monte de jeitos da gente dizer isso:
O evento me emocionou, o brilho das pessoas, e blá, blá, blá. Eu prefiro assim: Foi foda e pronto.
O público estimado da concha é de 5.000 pessoas, todas as que puderam foram.
Ingresso esgotado é igual a casa lotada e casa lotada é igual a uma energia indescritível. Na concha então, com aquela acústica... é fora de série. Os gritos são ensurdecedores.
Coube a mim avisar aos apresenteadores que Djavan tava pronto. Foi hilário. Eu no lado da boca de cena tentando ser invisível e umas mil pessoas (as que estavam na frente) apontando pro lado e dizendo:
- Olha pro lado;
- Olha pra ele alí;
E quando finalmente eles, os apresentadores, olharam, eu:
- Pode anunciar, Djavan tá pronto.
E aí sim, 5000 pessoas me vêm saindo do palco enquanto Ed Bala grita:
- Com vcs Djavan. (Quase eu fico surdo).
Elogiar o show do cara é lugar comum, mas não tem como ser diferente. É perfeito.
E além de tudo ele é simpático e gente boa. Quer mais o que? Sucesso. Sucesso e trabalho. Mais ao final do show do que durante, diga-se de passagem. Acho que 5000 das 5000 pessoas que foram queriam tirar foto com ele. 1000 queriam beijá-lo, 1000 abraça-lo, e as outras 3000 queriam fazer coisas libdnosas com ele e Max Viana ao mesmo tempo. Foi uma loucura.
O que fica de mais esta lição meninos e meninas?
Simples. Meu trabalho é de fuder(ou espetacularmente prazeroso, como vc preferir).

Show de Djavan

Show perfeito. Quem não foi perdeu. Vou colocar umas fotos daqui a pouco. Deixa eu só fazer o fechamento dos eventos do fim de semana.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Eleições 2008

Danilo Gentili do CQC, ontem a noite, me deu a luz:
"Se todos os candidatos tem o passado limpo e todos são tão maravilhosos administradores.
Decidi: Vou votar em todos".

E sobre a parada gay? Nada?

Claro que sim. Só não tive tempo. A parada teve muita coisa legal. Nada porém comparado a Léo Krety numa gaiola. Isso foi impagável.

domingo, 14 de setembro de 2008

Outros butecos

Continuei ontem minha saga pela melhor comida de buteco de Salvador.
Fui no Koisa Nossa na Mouraria e no Buteco da Graça na Graça (não diga!).
O Koisa Nossa tem mais cara de barzinho do que de Boteco, a cerveja é gelada, os preços são legais e mais nada. O atendimento é péssimo. Muita gente, pouco garçon (coitado do Alcindo). Quanto a comida: não sei porque eles inscreveram o pastel de polvo como melhor tira-gosto. Não tem diferencial nenhum, apesar de gostoso. Deixaram o ponto do polvo, muito macio, tirando do bicho a única coisa que ele tem de especial que é aquela consistência meio borrachuda. Deveriam ter colocado o catado de Aratu, muito mais gostoso, muito mais diferente. Realmente muito bom. Minha sugestão: Se for lá, tenha paciência com o Garçon, (não é culpa dele estar trabalhando praticamente sozinho) Peça sua cervejinha e um catado de Aratu, no máximo a lambreta que é o carro chefe da casa. Conselho: lá na Mouraria tem lugar melhor.
O Boteco da Graça sim tem cara de buteco. Lugar pequeno, as cadeiras ficam embaixo de uma árvore do outro lado da rua, um charme. Não dei sorte, assumo, chegamos muito tarde no lugar, a cerveja tava acabando, não tava muito gelada e tal. Os preços não são muito caros. O atendimento é super e o tira-gosto destruidor. É sério. Pense num lugar que você chega tarde, a cerveja ta quente, mas vc quer voltar.
O ambiente é muito legal, frequenteado pela galera da UFBA que é alí pertinho, o atendimento feito de perto pelo dono é reforçado por um monte de garçons super simpáticos. E o tira-gosto companheiro! É foda. Cremosinho é o nome da fera. Um escondidinho com recheio de arrumadinho. Inovador, gostoso e vem numa porção caprichada. Vale a pena. Vai lá e me chame.

sábado, 13 de setembro de 2008

Não resisti

Não consegui esperar até segunda.
Tive no buteco do Farias como disse (eu sou um bebedor de palavra).
Minhas impressões sobre o lugar foram muito boas. Sabe um buteco com cara e jeito de buteco? Eu diria que ele tem alma.
Os preços são super em conta, a cerveja geladíssima e o tira-gosto que está concorrendo, o porradão, é show. Tem de aipim e de abóbora. O de aipim parece um purê, mas quando vc corta lembra mais um quibebe. O queijo coalho dá o tom e as carninhas por cima fecham com chave de ouro. O de abóbora parece mais com um purê, mas a abóbora é tão sequinha que me fez gostar mais dele.
O atendimento é meio confuso. As atendentes apesar de muito atenciosas, eram novas no lugar e não sabiam explicar direito como era o porradão. vê se pode. Em compensação quando entra seu Farias em campo, é gol certo. Ele é aquele cara que te olha de longe pra saber se vc tá realmente gostando do prato e vem na mesa pra olhar no seu olho e perguntar: Gostou? Aquela atençãozinha a mais, sabe como é? O cara é massa.
Vale a pena. Fica no largo do fim de linha do Garcia. Vai lá.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Sugestão



Sextona chegando, ou melhor: Chegada. E aquele velho dilema: Onde eu vou tentar mais uma vez acabar com meu fígado, meu estômago, e se der sorte, com a minha moral e os meus bons costumes?
Vou dar a dica: Salvador pela primeira vez está participando do comida di buteco, que é um projeto nacional, bombou em Belo Horizonte e os caras resolveram expandir pro resto do Brasil. Já teve em SP e Rio (claro) e agora chegou por aqui. São 31 bares cadastrados e pelo que eu soube tá massa. Confira os detalhes no Comida di Buteco e aproveite pra meter gordura nesse coração ressequido.

Minha pedida essa semana vai ser o Buteco do Farias no Garcia, segunda conto se vale a pena.

E como diria Ojuara: Vamo tomar o mundo com cachaça.

E por falar em agenda!

Resolvi passar minha agenda pra quem frequenta o blog. E como eu fico sabendo com muita antecedência, provavelmente vou colocar coisas que pouquíssima gente sabe. Quem frequentar vai estar sempre um passo a frente.

Dia 19/09 - Marina Lima e Jau - Bahia Café Hall; (Já tá divulgado)

Dia 21/09 - Djavan - Concha Acústica; (Já tá divulgado)

Dia 26/09 - Zé Ramalho e Tenisson Del Rei - Bahia Café Hall; (Já tá divulgado)

Dias 03 e 04/10 - Melhores do Mundo em Hermanote na terrra de Godah - TCA; (ainda não tá divulgado a não ser por mim. Vide post a baixo)

Dia 03/10 - Zeca Baleiro - Bahia Café Hall; (ainda não tá divulgado, mas já tá rolando o zum zum zum )

Dia 11/10 - Jorge Ben Jor e Jau - Cáis Dourado; (tem um teaser na rua)

Dia 24/10 - Maria Rita - (local a confirmar); (surpresa)

Dia 29/11 - O Rappa - (local a confirmar). (surpresa)

Viu que tem coisa interessante no meu Blog? (quer dizer, eu acho).

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Pra se agendar



Se lembra de Joseph Climber?
Pois é. Os caras estão tão engraçados quanto nesse novo espetáculo. Hermanoteu na terra de Godah. A Íris Produções está trazendo o Grupo Melhores do Mundo nos dias 3 e 4 de Outubro.
Se programe Véi.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Depois de 42 horas o corpo trava.


Trabalhar com produção significa entre outras coisas ter uma relação boa com Morfeu e Hipnus.
Morfeu é o deus do sonho (não o mentor de Nil em Matrix) e Hipnos seu Pai o deus do sono.
Sair de casa na sexta por volta das 8:00 e voltar por volta das 5:00 de sábado é tranquilo, mas essa semana eu precisei de mais.
Como eu disse, saí por volta das 8:00 de sexta, fui pra produtora, tinha muita coisa pra preparar antes do evento que começaria às 21:00. Cheguei no local por volta das 19:00 (atrasado).
Abre caixa, prepara bilheteria, a impressora dá problema, 21:10 nada da impressora funcionar, fila pra comprar ingresso e nada de ingresso, preciso de R$ 4.000,00 pra pagar a banda e a porra da impressora de ingresso não funciona. Chega o técnico, volta a funcionar. Aí sim começa a ficar normal. O corre corre de sempre.
4:00 preciso fechar o caixa correndo e sair pra pegar o Ferry. Tenho que estar em Nazaré sábado e fechar uns eventos. Se eu for pra casa dormir vou chegar muito tarde.
Pego o Ferry Boat de 5:00, chego em Nazaré 7:00 (sem sono), encontro a galera, vou comer feijão, tomar cerveja (o sono vai começando a chegar), vou pra feira e resolvemos fazer um a reunião com um churrasco, bacana.
Começa o Churrasco e Hipnos que é meu Brother, falou:
- Deixa o cara.
E estancou de vez meu sono. Morfeu se retou, mas acabou aceitando assim:
- Meu Pai é foda.
Finalzinho da tarde e ao invés de dormir resolvi ir pra rua. Vcs não sabem como é política no interior (bom de mais).
Fui pra todos os comícios, depois encontrei a galera, fui tomar mais cerveja (meu esporte favorito) e discutir política (coisa de gente chata).
Nesse instante o pau comeu, comecei a sonhar ainda acordado e percebi que morfeu tinha se retado de vez.
- Colé meu pai cê é viado é? Derruba o cara. E tal e coisa.
- Menino vc me respeite, disse Hipnos.
Conversa vai, briga vem, e eu cerveja pra dentro. de repente o corpo travou.
Fiquei sem audio. Via o povo conversando, mas eu não entendia nada (sintomas de embriaguez potencializadas por mais de 42 horas sem dormir.
Pensei. Ou eu vou pra casa ou desmaio aqui. Resolvi ir pra casa e desmaiei.
Final da história, to fazendo a vontade dos dois desde domingo: Dormindo e sonhando, afinal. Semana que vem tem mais.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Não fui eu quem gravou. Juro!

video

Eu juro.

Há sim, a vaidade!!!

E onde entra a vaidade nesse mundo artístico-cultural?
Em tudo meus amigos! Em absolutamente tudo!
O mundo do entretenimento é cercado de vaidade.
Quando eu falo isso as pessoas logo pensam: Viadagem de artista (eu pensaria), mas a resposta é: Nem sempre.
Às vezes, quem cria mais problema é o produtor (leia-se artista frustrado), ou quem produz indiretamente. No meu caso, um dos fornecedores de mídia da produtora.
Não vou contar tudo. É chato. O interessante da história é que eu mandei um e-mail com a seguinte frase: "Se não tiver com tempo me fale que eu vou dar outro jeito".
O cara ficou puto. Ele não tava nem aí pra perder o cliente, o medo dele era eu abrir o Corel e fazer uma peça (coisa que eu nunca faria).
Enfim, achei que ele não foi humilde pra dizer Pablo eu tenho tempo, ou não tenho. Ao contrário, ele se sentiu ofendido por não ser a única opção da empresa.
Minha gente, "em verdade vos digo" por melhor que a gente seja, vamos ter cuidado com a soberba porque pode ter certeza: Um dia ela fode a gente.

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Resumo Curricular

Eu trabalho em duas produtoras de Eventos:
A primeira é uma das mais atuantes produtoras da Bahia, embora a gente não trabalhe com pagode nem com arrocha. Na verdade, nossa linha de trabalho é mais MPB, pop ou espetáculos teatrais. Do universo baiano, o que é cultural e/ou foge do padrão Chiclete com Bananalesco de axé.
A segunda é uma produtora do interior que a rigor só trabalha com pagode, arrocha e similares.
O comum entre as duas?
O amor por botar dinheiro no fogo e ver gente entrando, entrando, banda chegando, palco pronto, som, mais gente entrando, conferir a bilheteria, a segurança, som mais alto, gente entrando, banda pronta, camarim ok, gerador, luz, decoração, gente entrando, comunicador avisando que vai começar, pulseira de camarote, cortesia, patrocinador, tudo pronto pra começar, pode anuniciar, mais gente, vai, segurança, banda 1 no palco, gente cantando, entrando, dançando, bebendo e a gente já fazendo cálculo pra ver se deu. Ufa!!! Que nada, falta tanta coisa ainda.
Mas é por aí. Essa é a vida de quem como eu AMA absurdamente o que faz.

Estou nu!

Jorginho do blog Diário da Criação tava sem muita coisa pra fazer.
Esse deve ter sido o motivo pra ele citar meu blog como um dos que ele visita.
O blog dele é super visitado, logo, desavisados estão passando por aqui querendo ver alguma coisa tão fodástica quanto os outros indicados.
Sendo Assim, em um momento eu estava montando meu blog quietinho, escondidinho atrás da moita da invisibilidade digital. E agora eis me aqui nu.
Valeu Jorge. Abração.