segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Festival e o homem isopor

Essa é a minha versão dos fatos.

Depois de uma manhã de sábado super legal, que começou no mecânico, passou por uma pesquisa de preços na Baixa de Quintas, e culminou com a quase compra de um expositor milionário e supérfluo para nossa nova empreitada. Eis que eu e meu fiel escudeiro Drumond, finalmente fomos encontrar Jorge, para terminar de aprontar nosso material (sobre essa empreitada, eu explico depois).
Entre trabalho, brigas e gargalhadas, nos encontramos discutindo o óbvio: O que fazer a noite. Eu já era certo, ia trabalhar no Festival, Drumond já tinha comprado o ingresso dele, e até o sóbrio Léo, (sócio de Jorge) já tinha sua entrada pro maior festival de música do mundo da Bahia.

- E aí Jorge, vai fazer o que a noite?
- Qualquer coisa menos ir pro Festival de Verão, não sou mais adolescente, Alanis deveria ter vindo aqui há 10 anos.
- Certo;
De repente toca o telefone. Era a quarta pessoa que o convidava para um programa não Festival.
-Claro man, tá fechado. Vamo sim. Certo. Até.
- Coitado...
- Coitado de quem Pablo?
- Desse último aí que vc marcou?
- Porque coitado?
- Porque vc não vai.
- Como assim não vou?
- Vou te contar o que vc vai fazer hoje: Vc vai marcar com pelo menos 4 pessoas diferentes e quando te ligarem 22:00 pra saber onde vc está. Vc vai gritar bêbado - tô no Festival ÊÊÊÊÊÊ. O Festival é massa, a Bahia é linda e coisas do Gênero.
- Impossível
- Vamos ver isso mais tarde.

Terminamos, fomos almoçar, cervejinha vai cervejinha vem, argumentos fajutos aqui e alí ...

- Então tá.
- Daqui a 20 min. a gente te pega em casa.
- Certo.

Fomos ao Festival, foi legal até encher de mais etc. e não vem ao caso.

No outro dia...

- E aí Jóvem, tô com uma ressaca desgraçada, vou repensar minha vida, não era pra ter ido pro festival, blá, blá, blá pós cachaça.
- Jorge vc é a prova viva do homem isopor.
- Como é isso?
- A gente enche de cerveja e leva pra qualquer lugar.
- Porra acho que eu sou.

Continuei ouvindo suas lamúrias enquanto meu copo estava cheio. Depois desliguei e fui enche-lo novamente. Jorge é assim e essa é a minha versão da história. Vai lá no detesto gente inteligente e veja a dele.

2 comentários:

Cris disse...

Adoro os fatos reais. Jorge sempre muda algumas coisas ou quase tudo kakakaka. Bjsssss

Beauvoir disse...

Isso que é homem de palavra!