domingo, 9 de maio de 2010

E o dia das mães hein?

Pra começar, eu nem acredito que tô escrevendo esse post justamente no dia das mães.
Meus posts sempre são atrasados, demorados e tal.
O que me conforta, é que quem tinha de desejar alguma coisa, até uma hora dessas já o fez.
Só sobrando eu pois, continuo sendo esse ser que nada acrescenta a ninguém.

- Bom dia rebanhe de mãe.

Comecei assim o dia.

Minha mãe achou estranho, mas acho que gostou.

Partimos então, eu e meu sobrinho, pra acordar Cabeça. Ele com uma rosa e eu com um presente prateado e o coração apertado de tanto amor.

- Acorda sacana, feliz dia das mães. Isso é hora de dormir?
E meu sobrinho:
- É acorda...

Ela, como minha mãe, achou estranho, mas acho que gostou também.

Hoje é o primeiro dia das mães dela. E o meu como pai.
Nem que eu fizesse um post de 1.000.000 de parágrafos, ia conseguir descrever isso. Ela saiu cedinho, foi tomar café da manhã com a mãe dela. Provavelmente só vai ver esse post amanhã.

Não tem problema, o importante é registrar que eu sou uma pessoa melhor hoje por causa dela e de Cecília e que eu amo as duas de uma forma tão fodamente grande, que com certeza posso falar que é grande pra caralho. E que o primeiro é só um número na quantidade de dia das mães que eu quero acordar ela com piadinhas sem graça.

Quero também desejar a todas as mães que passam por aqui, um pouco mais de juízo.
Desejo que vcs procurem alguma coisa mais útil pra fazer na vida de vcs e percebam que eu não sou educativo. Em todo caso, se mesmo depois dos avisos, vcs quiserem continuar perdendo momentos neuronais, ou neurais importantes com esse espaço, paciência e obrigado.

Desejo também coisas cheirosas, macias e bolinativas especialmente para:

Minha mãe (eu também achei estranho desejar coisas bolinativas pra minha mãe, mas é a pegada do blog, fazer o que?);
A Cabeça, a fodástica mãe do ano;
A minha madrinha de casamento, que eu descobrí hoje que lê meu blog (coitada). Perdoe meus erros de português e condordância (ela uma professora de português do caralho).
A mãe de Jorge, Dona Zézeu que também vem por aqui (no blog). Coisas bolinativas sim pra vc;
E as mães que seguem este importante espaço da literatura moderna.

A todas vcs um cheiro e é isso.

Sem mais,
Subscrevo.

2 comentários:

Ric Dexter disse...

Mãe é mãe... hehe!

**
A foto que coloquei no post é da de Cacha Pregos, que eu achei no Google. Mas a do texto fica nas imediações do Cabula. Infelizmente quando passei lá tava sem máquina fotográfica.
Abraço.

Luana disse...

Mãe é mãe mesmo! Aqui em casa tem tipo um "ritual" de dia das mães. Sempre levamos café da manhã pra ela na cama. Na bandeja e tals... As vezes ela até já está acordada, mas a gente manda ela pra cama de volta, pra ficar esperando o café "surpresa"

Hahaha!

Beijos