domingo, 10 de maio de 2009

Uma resposta a Jorge

Jorge acordou cedo.
Só pode ter sido isso.
Eu já acordei domingo cedo. É inspirador tanto quanto deprimente.

Me lembro um dia de domingo que acordei cedo porque tava com o nariz entupido, (constirpado é viadagem) tava em Stela e como bom nazareno fui procurar um feijão. Tava de ressaca. Não achei. Stela Maris é um reduto burguês e burgueses rechaçam botecos que vendem feijão de manhã cedo (eu vejo nisso a porta de entrada do paraíso).
Não achei feijão. Achei pais levando seus filhos pequenos para fazer castelos de areia e até me envolví numa discussão com algumas donas de casa sobre o preço alto do nabo na entrada de um supermercado.

Quando percebi já estava deprimido. Sentei na porta de uma barraca de praia que parecia estar abrindo. A aquela altura beber seria a única opção. Pedí uma cerveja e o sol saiu, os pássaros cantaram, as mulheres colocaram biquínes e foram dourar as bundas. Ou seja, o mundo voltou a fazer sentido.

Hoje foi diferente. fui acordado por meu irmão, primo e sobrinho pra ir a feira comer mocotó. Isso sim justifica perder preciosos minutos de sono dominical.

Jorge não teve a mesma sorte. Acordou pra ir ao supermecado. Isso com certeza mexeu com seus brios e o remeteu a um domingo feliz.

Num domingo feliz se acorda de ressaca e com a sensação de ter feito besteira;
No saco nenhum sinal de esperma e na conta a falta um taco grande daquele dinheiro guardado pra pagar o IPVA.
Quando se acorda assim não se tem tempo de escrever posts aos amigos. Só se acorda, procura uma neosaldina e sonha com uma tigela de sorvete de água de coco.

Como sei que nada disso aconteceu, entendo o post. Entendo mesmo.

Nesse sentido, Jóvem peralta e devasso homem isopor:

Lhe asseguro que a recíproca é verdadeira. Ter amigos é um troço massa mesmo e ler uma coisa tão bacana (o que não me surpreende vindo de vc) em pleno domingo é um prazer.
Sobre cabeça, sua análise foi perfeita, concordo sem pestanejar.
Sobre Drumond, faltou vc mencionar que foi ele o escolhido pela providência para traduzir ao mar vermelho aquilo que Moisés queria quando pediu pra ele se abrir (o mar).

Desejo-lhe tb sorte com Marcele, ao tempo em que peço que repense suas intenções com Scheila Viviane. Paro pra pensar e quando a visualizo de nero, óculos e barrigão sentada no sofá assistindo o jogo do vitória não me sinto motivado a lhe fazer uma visita.

Sem mais, subscrevo.

3 comentários:

marceleuzeda disse...

Tô imaginando Scheila.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Juliana Rocha disse...

kkkkkkkkkkk Muito bom este post cabeça!!! Muito bom mesmo! Me mata de orgulhooooooooooo! kkkkkkkkkkk

Jorge Martins disse...

Foi pura falta de tempo, jovem.
Eu li tanta coisa nos últimos dias e estive tão ocupado com meus planos de dominação mundial que faltou tempo...