quarta-feira, 20 de maio de 2009

Como poderia?

Comecei o último post assim:
Ontem num dos milhões de regabofes cachacísticos em que me envolvo nos fins de semana, sentí falta de alguém.
Imediatamente pensei, tenho que começar esse de forma diferente, já que ambos nascem da mesma mãe imunda, ou do mesmo causo, vc decide.
Porém, como hoje e ontem foram dias fodas, e eu não tô muito bem da cabeça, tudo que eu escrevesse ia soar repetitivo. Assim, resolvi usar o mesmo começo de novo: Segue:

Ontem num dos milhões de regabofes cachacísticos em que me envolvo nos fins de semana, sentí falta de alguém (nesse caso de alguma coisa).

Ja sei: Das minhas lembranças.

Lendo o post de Drummond me percebi num dilema: O que mais eu não me lembro de domingo?
Sério. Não lembrava desse papo de quem é Santo Antonio e nem de mais um monte de coisas.

Como todos os acontecidos devem ter sido tão legais, mas tão legais, que eu não me lembro. A cosia fica ainda melhor. É massa. A gente se diverte a semana toda. De quando em vez aparece uma foto, uma lembrança esfumaçada e rola aquele flash back engraçado nos lugares e horas mais imprevistos.

Sigamos:
Pois então, temos uma mania diabólica de jogar Imagem e Ação. Saca imagem e Ação né?
Isso, aquele jogo que vc pega uma carta com um nome e tem que desenhar a palavra pra sua equipe etc.
Já ví esse jogo de várias formas com várias galeras diferentes. Na minha, é com mímica e só começa mesmo depois da 15ª cerveja (pra dar mais emoção).

Acontece que sempre, sempre, sempre rola briga. O cara bêbado já não segue as regras mínimas de convívio social, imagina as regras de um jogo que muda de regra cada vez que a gente joga?
Como diria Neto, não é nem um pé de pica, é um canavial de rola (lá ele).
Resumindo é uma gritaria da porra e toda rodada acaba com pelo menos uns dois ou três pariticipantes sem se falar.
Já ví amigos de infância se ofenderem bruscamente, irmãos se sacanearem a sério e até eu quase me separo umas 7, 8 vezes. Claro que nunca nenhum desses perrengues durou mais de um mês, pelo menos até agora.

Vem daí que nesse domingo aceitamos 2 novos participantes na roleta russa do Imagem e ação da minha galera. João Figuer e Cris.
Eles são pessoas finas, elegantes e racionais. Como tal, depois da 45ª briga e do 235º começo de briga em menos de 30 minutos, sentiram que algo não ia bem e me sairam com uma idéia brilhante:

- Gente todos nós somos crescidos, amigos então pra que tanta briga? Vamos fazer assim:
- Quando alguém disser que falou, mesmo que ninguém mais tenha ouvido vale.
- Se todo mundo falar ao mesmo tempo, a gente faz outra vez e tal (Leia-se tal, como um conjunto complexo de outras regras polidas e com o intuito de nos tornar pessoas melhores e mais preparadas pra geração de aquário, acho).

Resolvemos aceitar e toda vez que uma briga ia recomeçar, eis que surgia o Super João, o homem do óculo lilás, e Cris, seu Hiper-Mega-Escudeiro, para dirimir a contenda e repetir em uníssono, aquilo que deveria ser o protocolo de Kyoto do Imagem e ação:
- Se lembrem, se neguinho disse é porque é verdade, branquinho não ia mentir pros próprios amigos e tal.
A coisa foi se repetindo, primeiro de 5 em 5 minutos, depois de 10 em 10 e por aí foi até que estávamos jogando como sexagenários no antigo Bingo da Barra.
- Bingo, êê.
...
...
...
Péssimo.
Só jogamos uma partida e pronto, ninguém comemorou (que eu me lembre), ninguém pediu revanche (que eu me lembre).
Percebemos então que nós não somos polidos, nem elegantes, nem racionais, nem nada de bom quando se refere ao dado jogo. Pior, não gostamos da experiência de ser. Gostamos de achar que estamos sendo trapaciados e brigar, adoramos brigar, chatear, irritar, gritar e nos chamarmos de Filadaputaladrão. Gostamos do roots, de voltarmos às cavernas. É. Assim é que é bom.

Parece louco, mas é um exercício interessante ver como é bom, de vez em quando, virar um troglodita, brigar, gritar e aos poucos ir voltando ao normal, perto até do educado. Por isso:
Sorry super João, sorry Hiper-Mega-escudeiro. Não queria dizer aqui, mas a gente não presta, da próxima vez, se rete com a gente e mande a gente se fuder. Acredite o jogo assim, vai ser bem mais animado.

Quanto a sacanear a tequila e a sapiência do nosso amigo (história que eu conto mais tarde), isso pode, porque sempre é muito divertido.

Sem mais subscrevo.

6 comentários:

lilaemarcelo disse...

Eu acho é muita sacanagem ter estas farras de imagem e ação e não chamarem eu e marcelo; sõ pq eu soube dizer papilas gustativas na última vez que jogamos?! Isso é descriminação! Eu prefiro o jogo com a putaria e a gritaria; muito mais divertido

Cris disse...

~Eu tô de mal, sério, nunca mais falo com vcs! Eu acho sacanagem...rsrsrs
Vocês tão brincando de panelinha...e não convidam ninguém, eu sou legal!rs Bjs

Juliana Rocha disse...

Cabeça, acho q estamos doentes... essa amnésia não per normal!!!! kkkkkkkkkkk

marceleuzeda disse...

Quem era Santo Antonio não, a explicação era sobre quem era São João. Que amnésia, viu? kkkkkkkkkkk

Drummond disse...

Pois é, nem rolou "raia 1, raia 4"!
Quanto a sacanear a tequila e a sapiência do nosso amigo, vá tomar no meio do centro do olho do seu cú!!

João disse...

Sorry se tornamos o jogo tão chato! Levamos agora na cara pq não foi nada agradável perceber que você gastou metade desse post acusando ao Cris e a mim de "suavizar" o prazer patológico que você enxerga em gritar e brigar no jogo. O que você não conseguiu dirimir ainda é que eu cheguei sem conhecer o tal Imagem & Ação, com um jogador a menos no time, dois jogadores em alto grau etílico e um deles ao final completamente absorto e, ainda assim, heroicamente conseguir "destruir a hegemonia que havia entre vc e Drummond". (palavras de Juli!) Hahahahaha, mas agora falando como um chato sobrevivente: Não, não quisemos perturbar a esquizofrenia que você tanto louva no post, mas preservar a nossa saúde auditiva, como rapazes finos, elegantes e racionais. E, muitíssimo obrigado por terem nos aceitado, fiquei emocionado com a deferência, da próxima vez (se ainda nos aceitarem) você inclui antes entre as regras o gritar, irritar e o trapacear. Simples, não?